Amélio

Debate: Obesidade

Proposição: Paciente do sexo feminino, 54 anos, oscilou o peso ao longo dos últimos anos. Maior peso anterior 70 Kg;, já usou sibutramina no passado com boa tolerancia.

  • Peso atual 75.4 (IMC 28,1)
  • Cintura 95cm
  • Quadril 96cm RCQ 0.989
  • PA 150/90 mmHg
  • Glicemia jejum 98mg%
  • Insulina de jejum 18mUI/ml
  • HOMA-IR 4,35
  • HbA1c 5.9%
  • CT 217
  • LDL-c 147
  • TG 172
  • HDL-c 36
  • N-HDL 181
  • Faz uso de Valsartana 80mg x1 + HCT 25mg/dia.

Qual a sua abordagem clínica?

A síndrome metabólica e o maior fator de risco atual? Retirando os pregos do sarcófago.

Professora Amélio F. Godoy-Matos (IEDE-PUC-RJ)
Chefe do Serviço de Metabologia do Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia (IEDE)
Professor Associado de Pós-graduação em Endocrinologia da PUC-RJ
Mestrado em Endocrinologia (PUC-RJ)
Doutorado em Fisiopatologia Clínica e Experimental (UERJ)

ENDOCARDIO 2014, 28/03/2014, 14h00

ENDOCARDIO 2014

default-link-maiores-informacoes-eventos

 

Este é o sexto ano do ENDOCARDIO. O programa tem se caracterizado pela excelência científica, pelos excelentes palestrantes e pela participação ativa de todos os presentes. Procuramos, sempre, estar “antenados” para encontrar temas que reflitam avanços e contornem polêmicas na área da endocardiometabologia. Entendo que a Endocrinologia, a Cardiologia e a Metabologia têm afinidades numa mesma direção e que nós poderíamos chamar de “Riscologia”. Isto é o estudo de fatores e mecanismos de risco cardiovascular. Embora o endocrinologista, apenas na sua prática clínica, tenha se desprendido um pouco desta importantíssima área do conhecimento, nos últimos anos retomou destes aspectos e avançou para entender que, se tratamos adequadamente os nossos pacientes, minimizamos a chance deles desenvolverem os desfechos cardiometabólicos.
O fato de tentarmos estar “antenados” em toda esta vasta área do conhecimento, nos leva a compreender quando mensagens dúbias aparecem na literatura e em congressos da especialidade. Assim, corremos para tentar discutir de imediato o(s) tema(s), de forma a esclarecer e ponderar a tendência científica do momento. Este ano posso exemplificar com os temas referentes a testosterona e aos anabolizantes para o idoso. O uso de testosterona no obeso (com o intuito, até, de emagrece-lo) parece ser uma mensagem dúbia: engordou porque está hipogonadico ou está hipogonadico porque engordou ? E, assim, prescrevo testosterona para ajuda-lo a emagrecer ou emagreço-o para que sua testosterona se recupere? E quais a relações disto com o risco cardiovascular?

Da mesma forma, as novas diretrizes em colesterol são um tema do momento. Afinal, por que se abandonou a meta do LDL-c? Por tantos anos as diretrizes baixaram a meta de LDL-c, depois colocaram metas para o colesterol-não HDL e, de repente, não é nada disso!

Novas drogas em diabetes, mecanismos diferentes, eficácia semelhante? Como então, vamos nos comportar frente ao paciente com tantas opções – qual escolher? como juntar combinações que soem mais adequadas? Enfim, estes e outros temas nos fazem entender que teremos dois dias de muita discussão científica e muito proveito técnico para benefício daquele que nos é mais importante: o paciente!

Bom proveito.

Amélio F. de Godoy-Matos MD, Msc, Phd
Coordenador Científico do EndoCardio